7 maneiras de como a Terra já pareceu um planeta alienígena

por Nandy 05 jun 2017 - 18h 04
342 visualizações

Quando pensamos em um planeta alienígena, geralmente pensamos em um lugar inóspito, cheio de animais selvagens, condições climáticas nada propícias para a vida, dentre outras coisas, o fato é que a Terra já teve diversas dessas características, claro, em tempos mais remotos.

Inseto Gigantes

Cerca de 300 milhões de anos atrás, o mundo estava coberto de maciças florestas pantanosas e o ar estava completamente cheio de oxigênio. Havia aproximadamente 50 por cento mais oxigênio do que hoje, e isso criou uma explosão incrível de vida. Ele também criou insetos massivos e aterrorizantes diretamente de um filme de Godzilla .

Para algumas criaturas, todo esse oxigênio na atmosfera era demais. Pequenos insetos não conseguiram lidar com isso, então eles começaram a evoluir cada vez mais. Na verdade, alguns deles se tornaram enormes. Os cientistas encontraram os restos fossilizados de libélulas que são tão grandes quanto as gaivotas modernas, com asas com mais de 0,6 metros de comprimento.

Os besouros gigantes também viajaram pela Terra, bem como em todos os tipos de outros insetos gigantes. Mas eles não eram amigáveis. Essas libélulas maciças, acreditavam os cientistas, eram predadores carnívoros .

Bloqueio do sol por causa de poeira

Quando o asteróide culpado por limpar os dinossauros atingiu a Terra há 65 milhões de anos, ele deixou mais vestígios. O mundo transformou-se em um horizonte escuro e marcado de horrores – e foi ainda pior do que você imaginou.

O impacto ergueu poeira, solo e rochas voaram para o céu e até mesmo para o espaço. Algumas delas ficaram presas na atmosfera e envolveram todo o planeta em uma enorme camada de poeira. Para as criaturas ainda na Terra, o próprio Sol foi apagado do céu.

Isso só durou um período de alguns meses no máximo. Mas mesmo quando a grande nuvem de poeira desapareceu, o ácido sulfúrico permaneceu na estratosfera e entrou nas nuvens. Elas ficaram tão grossas que diluíram os raios do Sol e provocaram tempestades horríveis de chuva ácida por 10 anos.

Chuva de Magma

Esse asteróide, no entanto, não foi nada comparado com os que atingiram o planeta quatro bilhões de anos atrás. Nos primeiros dias do nosso planeta, uma chuva de asteróides assolou a Terra e a transformou em uma paisagem infernal de seus piores pesadelos.

Os oceanos do planeta ficaram tão quentes que ferviam. O calor do impacto do asteróide realmente acabou por vaporizar os primeiros oceanos na Terra, transformando-os em vapor que simplesmente se afastaram e desapareceram. Grandes partes da superfície da Terra derretidas. As gigantescas massas de rochas que cobriam o planeta transformaram-se em um líquido que vagava como um rio lento em temperaturas inconcebivelmente quentes.

Pior ainda, uma parte da rocha foi vaporizada e tornou-se a atmosfera da Terra. O óxido de magnésio subiu para a atmosfera, como se estivesse evaporando a água e condensado em gotas de magma quente líquido.

Chuva ácida

Eventualmente, a Era do Gelo terminou, e da maneira mais horrível imaginável. Acredita-se que a Terra passou por um período que os cientistas chamam de “meteorização química intensa”. Essa é uma boa maneira de dizer que as chuvas ácidas continuaram caindo do céu por 100 mil anos.

A chuva ácida era tão dura e pesada que derretia as geleiras que cobriam o planeta. No final, esta foi uma das melhores coisas que aconteceu com a Terra, enviando nutrientes para o oceano e deixando a vida crescer sob o mar, enviando oxigênio para a atmosfera e tornando a vida da explosão cambriana na Terra possível.

Por enquanto, foi um pesadelo. O ar estava cheio de dióxido de carbono, e a chuva ácida até envenenava o oceano. O que significa que antes que a vida pudesse explodir por toda a Terra, teve que se tornar um deserto tóxico e inóspito.

O planeta era roxo

Quando as primeiras plantas começaram a crescer na Terra, elas não eram verdes. De acordo com uma teoria, elas teriam sido roxas. E se você visse o mundo do espaço há três ou quatro bilhões de anos atrás, seria tão verde quanto verde hoje.

Acredita-se que as primeiras formas de vida na Terra absorveram a luz do Sol de uma maneira ligeiramente diferente. As plantas modernas são verdes porque usam clorofila para absorver a luz solar, mas acredita-se que as primeiras plantas usaram retinal – e isso teria uma sombra vibrante de violeta.

O roxo pode ter sido a nossa cor por um longo tempo. Cerca de 1,6 bilhão de anos atrás, depois que as plantas que cobriram o planeta e ficaram verdes, acredita-se que alguns de nossos oceanos se tornaram roxos. Uma camada grossa de enxofre roxo cobriu a água perto da superfície, e havia o suficiente para fazer oceanos inteiros parecerem roxos e torná-los incrivelmente tóxicos.

O céu era laranja e os oceanos, verdes

O céu nem sempre foi azul. Cerca de 3,7 bilhões de anos atrás, acredita-se que os oceanos eram verdes, os continentes eram negros, e o céu parecia uma neblina de laranja difusa.

Naquela época, a aparência da Terra era muito diferente, e temos todos os motivos para acreditar que nos deixou um esquema de cores completamente diferente. Os oceanos eram verdes porque as formações de ferro estavam se dissolvendo na água do mar, derramando uma ferrugem verde e contaminando-a. Os continentes eram negros porque teriam sido cobertos de lava, e não haviam plantas para cobri-lo.

Parte da razão pela qual parece azul hoje é o oxigênio em nossa atmosfera, mas não houve muito disso 3,7 bilhões de anos atrás. Em vez disso, o céu era principalmente metano. À medida que a luz do Sol atravessava uma atmosfera de metano, teríamos visto uma névoa laranja pendurada sobre a cabeça.

Cogumelos gigantes por todo o planeta

Aproximadamente há 400 milhões de anos atrás, as árvores só brotaram até a cintura de um homem. A maioria tinha apenas alguns metros de altura, e as outras plantas e fungos não eram muito maiores – exceto pelos cogumelos. Em um ponto da história da Terra, os cogumelos chamados de Prototaxitas estavam em todos os cantos do globo e eles dominavam todos os outros seres vivos.

Essas coisas tinham troncos que chegava a 8 metros de altura e tinham 1 metro de largura. Isso os torna menores do que muitas árvores modernas. Mas, na época, eles eram o maior das plantas e fungos no planeta, sendo até 6 metros maiores que as outras plantas.

Eles não tinham as grandes capas em cima que nós associamos com os cogumelos hoje. Em vez disso, eles eram quase inteiramente o tronco – apenas um grande pilar de fungos saindo do chão. Mas estavam em toda parte. Foram encontrados fósseis dessas coisas em todas as partes do planeta. Então você não teria podido ir muitos lugares na Terra sem encontrar uma floresta cheia de cogumelos gigantes.


loading...

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!
Comentários
Logo @AcreditaNisso