A lenda dos crânios que gemem

por Nandy 26 jan 2016 - 22h 07
282 visualizações

Na Inglaterra, em 1791, foi registrado um relato estranho e curioso, Theopilus Broome havia solicitado em seu testamento que sua cabeça fosse posta em sua fazenda após sua morte, enquanto seu corpo fosse sepultado isoladamente, mas segundo moradores do Condado de Somerset, Broome estava assombrando-os, pois ele já havia falecido há algum tempo.

1715

A partir daí, os aldeões tentaram remover o crânio da fazenda, mas algo os impediu, subitamente, a cabeça gritou e gemeu, perfurando os ouvidos dos moradores com “ruídos horríveis de tristeza e desgosto”, o que os amedrontou, fazendo com que deixassem o crânio em paz. Anos depois, eles tentaram cavar uma sepultura para o crânio, mas a pá utilizada quebrou-se e eles interpretaram isso como um sinal para deixar o objeto em paz.

Na Inglaterra, o crânio de Broome não foi o único que assombrou os moradores, desde o século XVI há uma lenda que diz haver um espírito oportunista trancafiado em crânios, quando o crânio é removido de seu lugar de descanso, ele começa a gritar e só para até que seja posto de volta no lugar.

Essa lenda dos crânios sempre foi transmitida oralmente entre as gerações, portanto, não há nenhum registro acadêmico sobre elas, porém, muitos paranormais reconheceram a semelhança que essa lenda possui para com a mitologia celta, na qual os crânios eram amaldiçoados e possuíam estranhos poderes.

 

A origem? Ninguém sabe, nem mesmo onde ou quando começou, o que se sabe é que ela ganhou impulso e hoje a mais famosa delas é a de Bettiscombe Manor.

Há muitos anos, um idoso servo implorou para que seu dono, Azarias Pinney, enviasse seu corpo de volta para as Índias Ocidentais após sua morte. Pinney não cumpriu o último desejo de seu servo e enterrou-o em um cemitério local. A mansão de Pinney ficou então assombrado por gritos e gemidos até que Pinney finalmente enviou seu esqueleto para as Índias Ocidentais.

Hoje, a lenda dos crânios que gemem está se perdendo, em 1963, foi realizado um exame do crânio de Bettiscombe, mas descobriu-se que ele pertenceu a uma mulher que viveu de 3 a 4 mil anos atrás. O que isso significa? Bem, pode-se dizer que o que ocorreu na mansão foi realmente um mito, ou então que esse não é o suposto crânio do servo, já que alguns gritos foram ouvidos perto dali…

Siga nas redes:

Facebook: Nandy Martins

Instagram: @nandy_martins

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!
Comentários
Logo @AcreditaNisso