“Apocalipse zumbi” espalha surto de superbactéria na Sibéria

por Nandy 03 ago 2016 - 00h 10
1.444 visualizações

Pode parecer mentira, mas a Sibéria está mesmo enfrentando um apocalipse zumbi e, acredite, a culpa é do aquecimento global. Tudo isso porque a região de Yamalo-Nenets está encarando um surto de antraz, que é uma bactéria poderosa, que ataca animais e seres humanos. Especialistas afirmam que o surto pode ter tido início devido as altas temperaturas.

Na verdade, a alta temperatura descongelou um cadáver de uma rena que morreu há mais de 70 anos, infectada por antraz. O problema é que o vírus já matou mais de 1.400 renas e infectou cerca de 10 pessoas. Para tentar conter o surto, a área foi isolada e todo ser vivo contaminado está sendo mantido em quarentena.

O antraz é uma bactéria tão forte que mesmo em condições desfavoráveis, formam esporos que são capazes de sobreviver por mais de 100 anos e esses esporos podem causar infecções. Os animais são contaminados no pasto e os humanos contaminam-se ao inspirar os esporos em ambientes contaminados. O tratamento é feito com antiobióticos como ciprofloxacina e penicilina.

Vale ressaltar que o último surto aconteceu na década de 41 e agora está atacando a região novamente. Especialistas afirmam que as altas temperaturas podem aumentar ainda mais as endemias da bactéria.

A população está com medo do risco de infecções em Yakutia, que é uma região que possui vários lugares de sepultamento de gado, todos mortos por pragas anteriores, fator que pode ocasionar novas bactérias.

Diante do ocorrido a “orientação é típica dos apocalipses zumbis da ficção: alerta e monitoramento de cemitérios em que foram enterradas vítimas da doença. ”

Já pensou em como seria viver uma região assim? O que fazer para lutar contra a infecção e sair desse pesadelo? Logo, as pessoas não contaminadas também serão reféns do isolamento, tudo para evitar uma pandemia e garantir que o vírus será extinto.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!
Comentários
Logo @AcreditaNisso