Os tratamentos medicinais mais bizarros da história

por Nandy 19 jan 2016 - 20h 12
416 visualizações

A medicina que temos atualmente com certeza é algo que passou por diversas mudanças, mas até chegar ao que é hoje, diversos tratamentos surgiram, muitos deles eram muito bizarros e, por incrível que pareça, alguns deles perduram até hoje! Confira:

Pão mofado

Utilizado para tratar cortes e feridas, este tratamento até possuía lógica, uma vez que alguns fungos tem a capacidade de impedir o crescimento de bactérias.

Puns em jarras

Durante a Idade Média, os médicos da época acreditavam que “semelhante cura semelhante”, tanto que na época da Peste Negra, acreditava-se que ela era causada por vapores letais, então os médicos encorajavam as pessoas a guardar seus puns em uma jarra e dar uma cheirada quando passassem perto de algum foco da doença.

Esterco de crocodilo

Apenas direi que era utilizado como contraceptivo…

Óleo de cobra

Hoje sabemos que não funciona, mas na China de antigamente era utilizada para aliviar dor nas juntas.

Cigarro

Por mais contraditório que seja, acreditava-se que o cigarro curava o câncer.

Sanguessugas

Eram utilizadas porque acreditava-se que elas tinham o poder de limpar o sangue, por incrível que pareça, existem alguns tratamentos atuais que ainda as utilizam.

Heroína

Em 1800, a heroína era comercializada como um remédio para tosses, resfriados e dores.

Mercúrio

Este metal líquido à temperatura era usado para tratar sífilis até o começo do século XX, mas ele tinha alguns efeitos colaterais, como perda dentária, úlceras e um dano neurológico severo.

Remédio tranquilizador

Este remédio criado pela Senhora Winslow foi popular durante o começo do século XIX para acalmar as crianças a passar pelo processo de crescimento dentário. O remédio foi removido do mercado na década de 1930. Por quê? Porque seus dois ingredientes principais eram morfina e álcool.

Siga nas redes:

Facebook: Nandy Martins

Instagram: @nandy_martins

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!
Comentários
Logo @AcreditaNisso