Quando a propaganda não é a alma do negócio

por Nandy 20 ago 2016 - 19h 18
1.336 visualizações

Acho que você já passou por aquelas situações em que foi movido pelo impulso ao ver uma determinada propaganda e decidiu comprar aquele item sem ver para o que servia direito, não é mesmo? O curioso é que muitas vezes ficamos decepcionados com o item que compramos, mas no post de hoje falaremos sobre algumas propagandas que tinham a melhor das intenções, mas que com certeza causaram a demissão de algum estagiário, ou pelo menos uma bela reclamação, mas uma dúvida que não quer calar é: será compraria um desses itens? Confira a seguir alguns itens em que a propaganda não foi a alma do negócio:

Como esta aqui, que exagerou um pouco

Às vezes as propagandas exageram um pouquinho.

Medidas desesperadas para tempos desesperados

De vez em quando também parecem meio desesperadas.

O que vale é a intenção

Ou contraditórias.

Isso vai dar um grande problema

De qualquer forma, não fica bem oferecer o que não pode como brinde.

O que vale é a intenção (2)

E é sempre bom dar uma relida no seu anúncio para ver se não tem nada meio... esquisito.

Juro que imaginei “só que não”

Como uma letra no lugar ""errado"".

Porque nunca abreviar a palavra “analógico”

Nota mental: nunca abreviar a palavra "analógico".

Ou “semente”

A mesma anotação vale para a palavra "semente", ok?

Quem nunca quis uma dessas?

Ou deu essa olhada casual naturalíssima ao tomar um gole de café de uma PRIVADA?!

Um professor para toda a vida por apenas R$900!!!

Imagina um PROFESSOR caseiro só para você?

Quando o caixa está baixo, o negócio é improvisar

Afinal, laranja, maracujá, que diferença faz?

Medidas desesperadas para tempos desesperados (2)

... aos mais diretos. Afinal, propaganda é a alma do negócio.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!
Comentários
Logo @AcreditaNisso